<

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
(For translation, please click on your flag)

segunda-feira, agosto 28, 2006

Quem foi Gonçalo Mendes da Maia?







Gonçalo Mendes da Maia, foi um célebre barão português dos séc. XI e XII, descendente de um bastardo do rei Ramiro II de Leão, nasceu em 1079 no Norte de Portugal, próximo da cidade do Porto, na Vila de Trastamires*. Era filho de D. Gonçalo Trastamires Albozoar, e de D. Leodegunda Soares, a "Tainha", da casa dos Baiões. D. Gonçalo foi uma lenda viva de dedicação à pátria. Tornou-se bem cedo um dos maiores amigos do Rei de Portugal, D. Afonso Henriques. Juntos lutaram, para expulsar os invasores da terra amada. A vontade de D. Gonçalo e de suas inúmeras e épicas conquistas no campo de batalha, em que o risco à vida era eterno desafiante - acabaram grangeando-lhe o cognome de LIDADOR.


Os Mendes da Maia constituiam uma família radicada na região desde a 2º metade do século X, Aboazar Lovesendes é o seu antepassado remoto mais conhecido. Gonçalo Trastemires, seu neto, que conquistou Montemor aos Mouros em 1034, viria a ser morto em Avioso, em 1038. Seu filho, Mendo Gonçalves foi tido como “ Vir illustris et magne potentie in toto Portugal” e o filho deste, Soeiro Mendes “o Bom” foi citado como “prepotens et nobilissimus omnium portugalensium”.

Em todo o caso, os Mendes da Maia eram, por meados do primeiro quartel de século XII, os verdadeiros exponentes da aristocracia portucalense. E quando sentiram que na corte de Dona Teresa, tomavam prevalência os aristocratas galegos, trazidos pela mão dos Travas, os Mendes da Maia começaram a urdir o “golpe de Estado” que levaria aos campos de S. Mamede. A intervenção dos irmãos Mendes revelar-se-ia decisiva na conjuntura que alçaria à chefia do condado, o moço Infante Afonso.

Com efeito, é crível que, alguns anos após a morte do Conde Henrique, o filho dos condes portucalenses se manteve no convívio e na familiaridade dos Mendes da Maia. Desde 1118, Paio era arcebispo da Sé primacial bracarense e como tal, a primeira figura da igreja portucalense. Em 27 de Maio de 1128, o arcebispo e o infante lavram em Braga um importante documento , onde o Infante promete ao arcebispo direitos sobre várias vilas e lugares, diversas isenções e alguns importantes privilégios. Entretanto os acontecimentos precipitam-se e em 24 de Junho tiveram o seu momento decisivo. As forças leais a dona Teresa encontram-se com as forças do Infante e do Arcebispo nos campos de S. Mamede. As forças do Infante, comandadas por Gonçalo Mendes, saem vencedoras da contenda. Os Mendes da Maia, Paio e Gonçalo sobretudo assumiam assim o papel de construtores da pátria. Décadas depois, quando o primeiro Rei levava o seu esforço de conquista a outras terras e os portugueses se embrenhavam pelos confins da “província de Alcácer”, Gonçalo Mendes, verdadeiro adiantado de Afonso Henriques tratava nos campos de Beja o seu último combate contra o Rei mouro Almoliamar quando já tinha 95 anos de idade. Era a “morte do Lidador”.
E assim é mais do que evidente a estreita ligação entre a MAIA e o nascimento de Portugal.

*Vila de Trastamires ( Vila da Maia - povoação antiquíssima - era chamada pelos romanos de PALANTINA. Foi tomada aos mouros pelos portugueses no ano 1000, por D. Gonçalo Trastamires Albozoar, pai de D. Gonçalo Mendes da Maia)