<

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
(For translation, please click on your flag)

sábado, setembro 09, 2006

Breve História da Maia




Seria necessário recuar muitos séculos para conhecermos a nobre história da Maia.


O Município da Maia é natural e herdeiro da antiquíssima Terra da Maia, que se estendia, nos meados do século XIII, desde a cidade do Porto, outrora limitado a breve espaço, até à margem esquerda do Rio Ave.
Aqui esteve o homem pré-histórico deixando muitos e importantes vestígios.
Por aqui se fixaram tribos galaicas, ocupando os Castros no alto dos montes. Aqui estanciaram durante muito tempo os Romanos, desenvolvendo povoados, rasgando vias e construindo necrópoles.
Mais antiga que a própria nacionalidade, a terra da Maia foi berço (como já referido anteriormente) dos Mendes da Maia, de onde se sobressaem as figuras de Paio, Arcebispo de Braga, e Gonçalo, adeantado de D. Afonso Henriques e conhecido como o “LIDADOR”, ambos figuras importantes no processo da independência de Portugal.


Em Dezembro de 1519, D. Manuel concedeu "FORAL"* ao Concelho da Maia.


A Maia é também repositório de antiguidades ligadas à própria história de Portugal. Disso são testemunho os excelentes exemplares de arquitectura religiosa existentes. De acordo com o primeiro recenseamento à população do país feito em 1527, o Concelho da Maia teria 55 freguesias e pouco menos de 2000 fogos. A população não ultrapassaria no seu total os 8 a 9 000 habitantes. Já então, Águas Santas era um povoado que se destacava com cerca de 300 habitantes. Nos inícios do século XVIII para um total de 44 freguesias, o Concelho mais que duplicava o número de fogos (4377) e teria um total de 18 000 habitantes. Em 1928, os fogos eram 6541 e o número de habitantes atingiria os 26 000. Entretanto, a grande maioria da população mantinha-se sempre ligada à agricultura tornando esta zona numa das áreas mais ricas dos arredores do Porto.Em 1855, então já só com 20 freguesias, o Concelho da Maia chegou a produzir 242 160 alqueires de milho, 23 600 alqueires de trigo, 5 867 alqueires de centeio, 276 alqueires de cevada e 2700 alqueires de castanha. Praticamente sem indústria até à segunda metade do século XIX, em 1866, aparece pela primeira vez uma fábrica de moagem de cereais, a utilizar energia hidráulica e a vapor dentro da área do Concelho (Águas Santas). Em 1880, já dois moínhos utilizavam energia a vapor, ao lado de 58 a água e um a energia eólica.


*(aforamento é a concessão de terras mediante a doação de cartas de foro, que se fazia em Portugal nos séculos XII e XIII, como medida de fomento, visando incentivar o povoamento em terras difíceis de desbravar e incrementar as culturas menos rendosas, para melhorar a condição económica das populações rurais).