<

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
(For translation, please click on your flag)

terça-feira, novembro 21, 2006

Maia - Passado e presente



Paços do Concelho início do século XX

Paços do Concelho em 1903


A Maia actual representa nos dias de hoje uma pequena parcela da grande Maia de outrora. Possui actualmente uma área geográfica de cerca de 84 Km2, constituído por 17 freguesias.


Terra de santeiros e reisadas, de indústria, festas, romarias, recheada de quintas da burguesia rural, apesar da grande industrialização, mantém grandes bolsas verdes e muitas tradições campestres seculares.


Está delimitada a Norte pelos concelhos de Vila do Conde e Santo Tirso, a Este pelo Concelho de Valongo, a Sul pelo de Matosinhos, Porto e Gondomar e a Oeste pelo de Matosinhos e Vila do Conde.

Praça do Município anos 60/70

Há pouco mais de trinta anos, a Maia ocupava o 100º lugar do “ranking” dos municípios portugueses. Era um concelho dominado essencialmente por uma agricultura tradicional. Algumas unidades do sector têxtil e da área das confecções eram de pequena dimensão.

Praticamente não existia comércio especializado. A ligação entre lugares e freguesias era feito por uma rede de estradas sinuosas e estreitas. Era uma rede viária, que com excepção das estradas nacionais, só tinha pavimento adequado em alguns quilómetros, cerca de 10% da sua extensão.


O Concelho da Maia não sabia o que era distribuição de água, nem saneamento. Por volta de 1970 seria mero pretensionismo falar em limpeza urbana, de equipamentos desportivos e culturais. Grandes lacunas verificavam-se também ao nível da educação, existia apenas um colégio privado e uma rede de escolas primárias razoável, não existindo qualquer escola preparatória.


Portas da Cidade século XXI


A antiquíssima “Terra da Maia” deu lugar em 23 de Agosto de 1986 à “Cidade da Maia” e começa então a sofrer um enorme desenvolvimento qualitativo e uma extraordinária transformação tornando-se um dos concelhos mais desenvolvidos do país e indiscutivelmente, aquele que, entre todos os outros do Minho ao Algarve, mais avanços e mais progressos registou estas ultimas décadas. A agricultura tardicional dos anos 60 e do príncipio da década de 70 dá lugar a uma agricultura especializada e moderna.

A Maia de hoje é o segundo Concelho a nível nacional em consumo de energia eléctrica – logo depois de Lisboa, o vigésimo primeiro em população, o sétimo em volume orçamental e oitavo lugar no que toca aos índices gerais de qualidade de vida.

Em muitos aspectos e domínios vitais, a Maia situa-se bem na vanguarda, muitas vezes até, ao nível do país, regista mesmo indicadores só possíveis de encontrar em áreas integradas da Europa Comunitária.

O Concelho da Maia possui o maior parque industrial do país. Maia I e MaiaII, constituem as duas grandes zonas industriais, o parque industrial da Maia é o maior do paíscom várias centenas de empresas em sectores específicos, como sejam, a industria de vestuário, sector alimentar, panificação, electrónica e telecomunicações, metalomecânica e construção civil, abarcando 3 freguesias e organizada em 10 sectores, com modernas vias de acesso.

A sua óptima acessibilidade graças à proximidade do aeroporto internacional Francisco Sá Carneiro (Pedras Rubras), as auto-estradas A3 e A4 e o IC24 (em breve será transformada em auto-estrada) e várias estradas nacionais (EN13 e EN14), e também a grande proximidade ao Concelho de Matosinhos, onde se situa o porto de Leixões, pelo que é um dos raros Concelhos do país que dispõe de rápido acesso a meios de transporte terrestre, aéreos e marítimos.


Possui também uma estrutura aeroportuária de propriedade camarária (Aeródromo Municipal de Vilar de Luz) com pista de 2000 metros, capaz de receber aeronaves de grande porte como por exemplo o Boeing 737, apesar de mais vocacionada para a aviação de negócios.

O Metro de superfície já é uma realidade no Concelho e terá numa primeira fase três linhas.

Na área da educação a Maia dispõe de uma invejável rede de infantários e jardins-de-infância, pré-primárias e primárias, várias escolas preparatórias, C+S e Secundárias, para além do Instituto Superior da Maia, embrião da futura Universidade da Maia.
O Concelho da Maia é pioneiro na instalação de ecocentros, ecopontos e estações de tratamento de águas residuais, visando o aproveitamento de materiais recicláveis, demonstrando uma enorme preocupação ambiental.

Praça Dr. José Vieira de Carvalho

Fórum da Maia (inaugurado em 1991)

A Maia apresenta ainda estruturas sofisticadas para o turismo, realização de eventos culturais, seminários, congressos e feiras, possui um bem estruturado e equipado Centro de eventos, o Fórum da Maia, dotado de dois auditórios de 750 e 150 lugares, salas de exposições, áreas museológicas, Biblioteca Municipal, e o Fórum Jovem, onde funciona a Associação de Jovens Empresários.


No âmbito desportivo dispõe de um magnífico parque: desde pistas de tartan, estádios municipais, vários Complexos de piscinas, modernos pavilhões gimno-desportivos, Complexo de ténis, polidesportivos de rua, hipódromo e aeródromo, quase todas as modalidades podem aqui ser praticadas em excelentes condições, por isso também aqui se realizam grandes eventos desportivos tais como o Torneio Internacional Maia Jovem em ténis, Maia Handball Cup, Meeting Internacional de Atletismo, entre outros.
Outras estruturas existem ou estão em marcha.

Monumento ao Empresário Maiato

Na Maia reside também o maior parque zoológico do país, disperso por uma área de 30.000 m2, onde residem animais de todos os continentes, constituído por um parque ao ar livre e por um reptilário, o maior do país e o segundo da Europa, integrando também um espectáculo de focas e leões marinhos. Durante o ano, recebe mais de um milhão e meio de visitantes.

A não esquecer também a beleza dos vários montes do concelho, locais bem tratados e de onde se pode disfrutar de paisagens magníficas e também as dezenas de festas e romarias que, durante todo o ano transformam a Maia numa terra de tradições e de festa.



Paços do Concelho (inaugurado em 1982)

Vista aérea da cidade

A transformação do concelho não impediu que a característica rural da Maia se apagasse. Continua a ser atravessado por uma rede viária cada vez mais moderna, mas ainda é frequente que a um troço moderno se siga um outro mais rural, que mostra a ainda vincada ruralidade do concelho.

De entre o seu vasto património construído, quer rural quer religioso, merecem

destaque a Igreja Romano-Gótica de Águas Santas e a seicentista Igreja Conventual de S. Salvador de Moreira.

Próspera região agrícola no passado a Maia mudou muito no sentido do progresso e de uma afirmação social e económica que difícilmente encontrará paraleo noutra terra portuguesa.


Monumento á comunidade Maiata (Pirâmides)


Vista aérea


Torre do Lidador (inaugurada em 2000)

Monumento a Gonçalo Mendes da Maia


Estação do Metro (Fórum)