<

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Translate to Arabic Translate to Bulgarian Translate to Simplified Chinese Translate to Traditional Chinese Translate to Croatian Translate to Czech Translate to Danish TTranslate to Dutch Translate to English Translate to Finnish Translate to French Translate to German Translate to Greek Translate to Hindi Translate to Italian Translate to Japanese Translate to Korean Translate to Norwegian Translate to Polish Translate to Romanian Translate to Russian Translate to Spanish Translate to Swedish
(For translation, please click on your flag)

quinta-feira, outubro 12, 2006

A Reforma Liberal






No início do século XIX a Maia teria cerca de 74 freguesias. Com a reforma liberal torna-se "concelho independente", mas, perderia em 1836 , "além das que já perdera com o foral de D. Manuel I" a maior parte das freguesias em benefício do Porto, Valongo, Matosinhos, Santo Tirso, e Vila do Conde e permaneceu durante um século e meio com as restantes 16, em 1985 o desmembramento de Águas Santas cria uma nova freguesia - Pedrouços.

De acordo com o primeiro recenceamento feito à população do país em 1527, o Concelho da Maia teria cerca de 2000 fogos e a população não ia além dos 8 a 9.000 habitantes. A freguesia de Águas Santas era o povoado que mais se destacava com cerca de 300 habitantes.
No início do século XVIII, o Concelho duplicava o número de fogos (cerca de 4377) e teria um total de 18.000 habitantes. Até 1903, a sede do concelho funcionava no lugar de Castêlo em Santa Maria de Avioso, sendo então transferida para o lugar de Picoto na freguesia de Barreiros, elevada a categoria de vila em 13 Dezembro de 1902 , "já possuía no século XVIII uma prosperidade económica de caracter agrário". A freguesia de Barreiros passaria a denominar-se MAIA em 21 Dezembro de 1950.

Em 1928, o número de fogos atingia os 6541 e os habitantes 26.000. A maioria da população mantinha-se ligada à agicultura tornando esta zona numa das mais ricas dos arredores do Porto, onde se produzia trigo, milho, centeio, cevada, castanha. Até à segunda metade do século XIX esteve praticamente sem industria, e em 1966 aparece pela primeira vez uma fábrica de moagem de cereais, a utilizar energia hidráulica e a vapor dentro do concelho (Águas Santas). Em 1880, já dois moínhos utilizavam energia a vapor, ao lado de cerca de 58 a água e um a energia eólica. Até à década de 1950, o desenvolvimento industrial manteve-se paralisado.


Entre as artes e ofícios que se praticaram ao longo dos tempos no concelho da Maia, pode-se salientar, os brinquedos, a carpintaria, a cerâmica, a sestaria, a chapelaria, a confecção de trajes regionais, a doçaria regional, a escultura, o fabrico de aguardentes e licores, azeite, candeias, enchidos,instrumentos musicais, do pão, de sinos, de socos e tamancos, a fundição, a latoaria, pirotecnia, tapeçaria, a tecelagem o trabalho do ferro e estanho, do marfim da pedra e do vidro e vassoraria.